sexta-feira, 30 de julho de 2010

ENFERMAGEM

Havia um tempo em que o enfermeiro era aquele agente de saúde que tinha como única função cuidar dos doentes. O mercado evoluiu e hoje pede um profissional mais completo. Ele segue exercendo suas atividades assistenciais, mas teve sua função ampliada para a de um gestor médico-hospitalar.
 "A carreira ainda se inicia lá na ponta, com o auxílio direto aos pacientes. No entanto, o enfermeiro pode crescer na profissão, ganhar funções ligadas à coordenação de equipes e até mesmo chegar à gerência de unidades administrativas", afirma a enfermeira Audry Elisabethdos Santos, gerente de Enfermagem de Operações do Hospital Sírio-Libanês, de São Paulo. Para isso, além de uma boa faculdade, o mercado exige cada vez mais especialização ou MBA na área de saúde. Entretanto, se a área de gestão não o atrai, ele pode se especializar em auditoria, outro setor que vem crescendo bastante e necessitando de profissionais de enfermagem que saibam relacionar custos e benefícios de medicamentos e equipamentos hospitalares. Antes de se decidir pela profissão é preciso terem mente que o trabalho diário é bem puxado.São rotineiros os plantões noturnos e os de fins de semana e feriados. Passar Natal e Ano Novo longe da família é comum. Assim, é preciso ter muita disciplina.
Além disso, é essencial que o enfermeiro esteja sempre preparado para lidar com situações inusitadas mesmo aos profissionais mais experientes, como ocorrência de sintomas raros ou de doenças incomuns. O profissional de Enfermagem pode trabalharem todos os setores de um hospital, da UTI à psiquiatria, passando pela maternidade, pediatria e oncologia, sempre de olho na qualidade de vida e na segurança dos pacientes. Entre suas funções também estão a de coletar dados sobre o estado dos doentes e a de ajudar a estabelecer o diagnóstico para auxiliar a equipe médica sobre a conduta a ser seguida em cada caso particular

O mercado de trabalho
Como há muitos cursos no país, a concorrência por uma vaga de trabalho é grande. Mas alguns fatores têm contribuído para a manutenção das ofertas, como o envelhecimento da população brasileira, que faz aumentar a procura por especialistas em saúde da terceira idade (enfermagem geriátrica), a crescente utilização do sistema home care e a própria abertura de novos hospitais no país – em 2008, foram incluídos no Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES)143 instituições públicas que fazem internação, como é o caso de clínicas e hospitais. A expansão do Programa Saúde da Família (PSF), do governo federal, também favorece o mercado de trabalho para os enfermeiros, já que cada equipe do programa tem de contar com, no mínimo, um profissional da área. Além disso, surgiram novos campos de atividade nos últimos anos. "Há uma década, era incomum encontrar enfermeiros responsáveis por gestão da qualidade ou atuando como representantes comerciais de produtos e equipamentos de indústrias farmacêuticas e laboratórios", afirma Andréa Gomes da Costa Mohallem, vice-diretora da Faculdade de Enfermagem do Hospital Israelita Albert Einstein,de São Paulo (SP).

O curso
As diretrizes estabelecidas pelo MEC em 2002 propuseram que a formação na graduação passasse a ter um caráter mais generalista, voltado para as necessidades de atenção primária, que é o trabalho do enfermeiro em ambulatórios, prontos-socorros e postos de saúde. O início do curso é marcado por disciplinas básicas da área das ciências biológicas, como anatomia, microbiologia, citologia, histologia e parasitologia. Também há matérias de administração e fundamentos de psicologia e de sociologia. Gradativamente, o aluno conhece os procedimentos técnicos e, no segundo ano, começa a atender pacientes e a cuidar de enfermarias. O estágio é obrigatório, sempre supervisionado por enfermeiros e professores. No fim do curso – que dura, em média, quatro anos e meio –, é comum a exigência de um trabalho de conclusão.

O que você pode fazer

Atendimento domiciliar
Cuidar de pacientes em sua residência, dando continuidade ao tratamento hospitalar. Auxiliar o paciente em exercícios terapêuticos e cuidar de sua higiene e de seu bem-estar.

Enfermagem geral
Comandar equipes de técnicos e auxiliares de enfermagem no atendimento a pacientes.

Enfermagem geriátrica
Atender idosos, doentes ou não, em domicílios, casas de repouso, clínicas e hospitais.

Enfermagem médico-cirúrgica Ministrar cuidados pré e pós-operatórios em prontos-socorros, clínicas e hospitais.

Enfermagem obstétrica
Dar assistência integral a gestantes, parturientes e lactantes, acompanhando o pré-natal, realizando exames e auxiliando o médico no parto e no pós-parto. Dar orientações sobre planejamento familiar.

E outras mais =]

5 Comentarios:

interessantissimo os conteudo do blog.

Meus parabéns

Que texto completo! Vc se lembrou até da Saúde da Família! Parabéns!
Um detalhe: o enfermeiro especialista em Enfermagem Obstétrica pode tanto auxiliar o médico como realizar o parto normal.

Mônica
http://www.redenacional1.blogspot.com

O mercado cresceu e muito para a enfermagem, mas penso em fazer arquitetura ou jornalismo...

Abraços do amigo Hippie

Conheço studantes d enfermagem algumas delas me dão medo!

Postar um comentário