terça-feira, 19 de outubro de 2010

ARQUIVOLOGIA

É a aplicação de técnicas e métodos específicos à organização, conservação e restauração de arquivos. O arquivista identifica, organiza, avalia e preserva documentos dos mais diversos tipos, estejam eles em papel, foto, filme, microfilme, disquete, CD-ROM ou, ainda, em bancos de dados on-line. É o responsável por tornar disponíveis as informações que são geradas e acumuladas em empresas, órgãos do governo, escolas, associações, instituições de saúde e ONGs. Deve ter sólida formação cultural para avaliar a importância dos documentos que manipula e preparo para trabalhar com produção documental de várias épocas históricas. É fundamental que ele tenha, também, organização, senso crítico e flexibilidade para atuar em equipe, com gerentes, administradores, pesquisadores e profissionais de informática, entre outros.


O mercado de trabalho

A crescente produção de conteúdos por meios eletrônicos e a necessidade de organizá-los contribuem para o aumento da procura por arquivistas. A profissão é regulamentada desde 1968, e cada vez mais o campo de trabalho para esse profissional se encontra em ascensão. Para os próximos anos, as perspectivas são de crescimento da oferta de trabalho, sobretudo por causa do aumento das requisições do serviço público. "Só nos primeiros meses deste ano, foram abertos cerca de 30 concursos públicos em várias regiões do Brasil", diz Maria do Rocio Fontoura Teixeira, coordenadora da Comissão de Graduação em Arquivologia da UFRGS. As grandes cidades e capitais são as que possuem redes mais complexas de serviços públicos, sediam empresas de maior porte e se constituem nos principais núcleos de absorção desses profissionais. As vagas encontram-se principalmente nas capitais, como São Paulo (SP), Rio de Janeiro (RJ), Belo Horizonte (MG) e Porto Alegre (RS), onde empresas privadas criam centros de documentação para o registro de sua trajetória, e Brasília, por causa do setor público. "No Norte e Nordeste, começam a aparecer oportunidades para arquivistas, principalmente em universidades", completa Teixeira. No setor privado, os arquivistas são cada vez mais procurados por hospitais, instituições de Ensino Superior, indústrias, centros de memória, casas de cultura e grandes escritórios de advocacia, contabilidade, engenharia e arquitetura. Em consultorias de arquivologia existem vagas de trabalho temporário. O bacharel também tem a possibilidade de abrir a própria consultoria e atuar como autônomo. 

Salário inicial: R$ 1.530,00 (fonte: Associação dos Arquivistas do Estado do Espírito Santo).

O curso

Além das disciplinas básicas, como história, teoria da administração, informática e estatística, o aluno estuda as específicas dessa graduação, como descrição documental, projeto e implantação de sistemas de arquivo e paleografia (estudo das escritas antigas). Em laboratório, aprende técnicas de classifi- cação, higienização, preservação e guarda de documentos e toma contato com ferramentas computacionais que auxiliam no gerenciamento de arquivos. É necessário conhecer a legislação para avaliar corretamente a validade dos documentos manipulados. Para isso, o aluno tem aulas de avaliação documental. Estágio curricular e trabalho de conclusão são obrigatórios. 

Duração média: quatro anos.

0 Comentarios:

Postar um comentário