quarta-feira, 20 de outubro de 2010

MEDICINA

É a ciência que investiga a natureza e as causas das doenças humanas, procurando sua cura e prevenção. A saúde humana é o objeto de estudo do médico. Ele pesquisa e trata disfunções e moléstias, escolhendo os melhores procedimentos para preveni-las e combatê-las. Para isso, tem de estar sempre bem informado a respeito de novas drogas e equipamentos que proporcionem aos pacientes os diagnósticos e os tratamentos mais avançados e eficientes. Com um conhecimento aprofundado dos órgãos, sistemas e aparelhos do corpo humano, faz diagnósticos, pede exames, prescreve medicamentos e realiza cirurgias. Participa também de programas de prevenção e de planejamento da saúde coletiva. Há trabalho para o médico em hospitais, clínicas, postos de saúde e empresas. Grande parte atua também em consultório próprio. Pode trabalhar ainda como consultor em sites especializados, voltados para o exercício da Medicina.


O mercado de trabalho

"Os formados encontram mais vagas na rede privada de hospitais. Na rede pública, a maior rotatividade está no atendimento de emergência", diz Lucio Pereira de Souza, coordenador do curso da UFRJ. O Sudeste concentra 55% dos profissionais e Norte e Nordeste têm falta de médicos. Enquanto São Paulo tem a maior concentração de profissionais - um médico para 239 habitantes -, em Roraima a proporção é de um para 10.306, média inferior à de nações africanas pouco desenvolvidas, segundo pesquisa do Conselho Federal de Medicina. Além de ter poucos médicos, o estado do Amazonas ainda registra que 88% deles estão em Manaus. "Por isso estamos desenvolvendo estratégias para que a progressão da carreira do médico via concurso público se dê como na magistratura. Ele é enviado para uma cidade onde os serviços dele são mais urgentes, e o profissional é transferido depois de acordo com essa necessidade", explica Desire Carlos Callegari, primeiro-secretário do Conselho Federal de Medicina. Os estados do Norte e do Nordeste têm oferecido mais vagas aos médicos no setor público, principalmente por intermédio do Programa Saúde da Família (PSF). Quem estiver disposto a abdicar da infraestrutura das grandes metrópoles pode encontrar vagas nas regiões mais afastadas. O aumento na proporção de idosos na população brasileira é um fator que promete aquecer as áreas de cardiologia e geriatria, sobretudo em cidades de médio e grande portes. O mercado também se abre para novas áreas, como genética e estudos sobre os mecanismos da memória. Há procura, ainda, por médicos do trabalho e alergistas, em regiões com grande concentração industrial, e também por médicos intensivistas (que trabalham em UTIs). Em todo o Brasil também há oportunidades para os graduados que querem se dedicar à formação de outros alunos de Medicina e à pesquisa - para essa última é requerida pós-graduação. 

Salário inicial: R$ 2.860,00 (24 horas semanais em hospitais, clínicas, casas de saúde, laboratórios de pesquisas e análises clínicas; fonte: Sindicato dos Médicos de São Paulo).

O curso

O currículo é puxado, o período é integral e há seminários e pesquisas, além dos plantões em hospitais. Nos dois primeiros anos, o aluno aprende matérias básicas, como anatomia e patologia. Outras disciplinas são bases moleculares e celulares dos processos normais e alterados, fisiopatologia dos sinais e sintomas das doenças, entre outras. Boa parte das instituições de ensino oferece disciplinas práticas no início do curso para que o aluno vá se familiarizando com as atividades. Lidar com pacientes, só a partir do terceiro ano, nas disciplinas profissionalizantes e no treinamento em atendimento. Os dois anos de residência médica, depois de formado, são para o graduado se especializar. 

Duração média: cinco a seis anos.

0 Comentarios:

Postar um comentário